Casem recebe visita de juízes da Infância e Juventude de estados do Brasil

A visita aconteceu antes do Ciclo de Debates de Justiça Restaurativa na Infância e Juventude, no TJSE

A Comunidade de Atendimento Socioeducativo Masculino – Casem, administrada pela Fundação Renascer, recebeu a visita de juízes da área da Infância, Juventude e Socioeducação de Sergipe e de outros estados brasileiros, na última segunda-feira (06). Os magistrados conheceram a estrutura física da unidade, que conta com salas de aula, de informática e oficinas, auditório, centro ecumênico, quadra poliesportiva e anexos, oito casas destinadas ao alojamento dos adolescentes, refeitórios climatizados, área de convivência para visitas e enfermaria. Na ocasião, os adolescentes da Casem realizaram uma apresentação teatral sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

A Casem é uma unidade modelo em socioeducação que, além de atividades culturais e educativas, desenvolve cursos de aprendizagem profissional nas áreas de auxiliar administrativo, recepcionista, entre outros, através do Programa Jovem Aprendiz, realizado em parceria com Senac – Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial, Ministério Público de Trabalho (MPT) e empresas privadas, conforme conta o diretor operacional da Fundação Renascer, Carlos Viana. “Os juízes de outros estados puderam conhecer a metodologia e o trabalho realizado na unidade para esses jovens, e viram de que forma estamos trabalhando para, quando eles retornarem à sociedade, saiam com uma perspectiva de vida”, disse o diretor.

O presidente da Fundação Renascer, Wellington Mangueira, afirma que é uma enorme satisfação receber os juízes na unidade socioeducativa do Estado. “Essa visita permite mostrar que Sergipe, o menor estado da federação, tem muito a oferecer para o Brasil. Os visitantes relataram que o trabalho desenvolvido pela unidade é algo surpreendente e passaram a acreditar ainda mais na socioeducação, porque estiveram em contato direto com os adolescentes, o sistema pedagógico e socioeducativo. Eles viram que é uma ação de esforços no propósito de bem servir esses jovens e transformá-los positivamente para serem cidadãos em sua inteireza”, relatou Mangueira.

Justiça Restaurativa

Os juízes fazem parte do Comitê Gestor da Justiça Restaurativa no Brasil e vieram à Aracaju para participarem também do Ciclo de Debates de Justiça Restaurativa na Infância e Juventude, que ocorreu no Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE). A troca de conhecimentos entre magistrados da área é de suma relevância, segundo o juiz Antônio Henrique, da 17° Vara Cível (TJSE). “O intercâmbio é muito importante para a troca de ideias, conhecer o trabalho que eles desenvolvem em seus estados e permitir que eles também conheçam o nosso, promovendo essa troca e ainda uma visita às instalações do sistema socioeducativo”, disse o juiz.

Para a juíza titular da Vara de Execução de Medidas Socioeducativas do Distrito Federal (VEMSE-DF), Lavínia Tupy, a estrutura e atuação da Casem é impressionante. “O formato arquitetônico, a qualidade do atendimento socioeducativo, os cursos oferecidos aos próprios adolescentes, as atividades físicas em espaço próprio para realização, os quartos bem arejados, o refeitório bem amplo para suas refeições, são grandes possibilidades de realmente trazer uma mudança significativa na vida desses adolescentes”, avaliou a juíza.

Presenças

A visita contou também com as presenças dos membros do judiciário sergipano: Iracy Mangueira, coordenadora da Infância e Juventude do TJSE; e, Haroldo Rigo, da Comissão de Implementação, Difusão e Execução da Justiça Restaurativa (Cidejure) do TJSE. De outros estados, vieram os juízes: Marcelo Salmaso (TJSP); Rodrigo Dias (TJPR e CNJ/PR); e, Lavínia Tupy (TJDF) e presidente do Fórum Nacional de Justiça Juvenil (FONAJUV).

Fotos: Pritty Reis

Última atualização: 9 de dezembro de 2021 17:30.

Pular para o conteúdo