Socioeducandos da Casem recebem Nino Karvan para bate-papo sobre música e trabalho artístico

Musicoterapeuta, cantor, compositor e luthier, Nino contou histórias, apresentou canções e falou sobre a cena cultural sergipana

 

Fotos: Pritty Reis

Na última quarta-feira (19), cerca de 50 socioeducandos da Comunidade de Atendimento Socioeducativo Masculina (Casem), em Nossa Senhora do Socorro, receberam o musicoterapeuta, cantor e compositor sergipano Nino Karvan, para dialogar sobre arte, música, trabalho e perspectivas no cenário sergipano. A ideia foi do professor de matemática da unidade, inspirado no projeto Olonimó, que também faz parte do calendário de atividades do local.

De acordo com o diretor da unidade, Rodrigo Oliveira da Silva, os projetos desenvolvidos acerca da temática música e arte têm tomado grandes proporções na Casem. “Agora nesse período de carnaval, onde todos queriam participar das festas, pelo menos aqui eles estão ouvindo uma boa música, trocando ideia com artistas, juntando boa parte de dos adolescentes em um local só. Esses projetos estão envolvendo a área da educação e essa junção entre o teatro, capoeira e o ensino regular, proporcionando mais conhecimento para os adolescentes”, afirmou.

 

Para o professor de matemática da unidade e idealizador da atividade, Antônio Carlos de Oliveira, a inspiração veio do sucesso do projeto Olonimó, que tem sido muito bem recebido pelos socioeducandos. “Eu sempre procuro fazer algo diferente, trabalho com raciocínio lógico, e nossa ideia foi convidar colegas nossos, artistas sergipanos da música, para fazer essa palestra aqui. É uma pessoa que tem uma história de vida muito bonita. Ele já conhecia um pouco daqui porque eu falava, então foi uma oportunidade interessante para que ele pudesse conhecer os meninos”, destacou.

 

Na ocasião, além de apresentar composições autorais, o músico Nino Karvan contou aos meninos sobre sua história de vida, as dificuldades enfrentadas e deu conselhos sobre a cena artística em Sergipe. “Estou com o coração repleto de gratidão porque sempre tive vontade de fazer um trabalho como esse, de visitar, trocar ideia e falar sobre arte com eles, e aqui eu tive essa oportunidade. Acho que esse tipo de iniciativa é de grande importância. Pretendo conversar com colegas artistas para virem também ter esse momento. Quero voltar aqui. De cada semente que você planta pode nascer uma floresta”, agradeceu.

Os meninos acompanhavam atentamente as histórias e canções, e – curiosos – interagiam com o músico, na busca por mais informação. “É importante trazer esses exemplos para nós conhecermos histórias de vida de superação, como a que ele teve. Saber da história nos ajuda a superar os problemas que enfrentamos aqui dentro. Participo da aula de capoeira e gosto muito porque está sendo uma inspiração ter aula com o professor Alex. Eu pretendo sair daqui e ter uma nova vida”, afirmou o socioeducando A.S., de 19 anos.

Última atualização: 30 de abril de 2020 19:35.

Pular para o conteúdo